Um novo espaço físico para pesquisa sustentável
voltar
Ter, 24 de Abril de 2012 05:33

Polo TerRA

Engenheiros, físicos, biólogos, matemáticos, agrônomos, entre outros. São diversos pesquisadores, de diferentes áreas, unidos para desenvolver pesquisas com um principal objetivo: geração de energia a partir da biomassa.

Esse é o principal foco do Polo Temático em Energias Renováveis e Ambiente, o Polo TErRA, que teve sua Unidade inaugurada em 18 de abril, no campus I da USP/São Carlos.

Contando com a presença de diretores e alunos de algumas Unidades do próprio campus e de outros campi da USP, os diretores do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), Antonio Carlos Hernandes, e da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP), Geraldo Roberto Martins da Costa, apresentaram a sede àqueles que compareceram à inauguração, incluindo o pró-reitor de pesquisa da USP, Marco Antonio Zago.

O Polo TErRA, inserido no âmbito do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Bioenergia e Sustentabilidade (NAPBS), lançado em junho do ano passado, para alcançar seu principal objetivo irá congregar pesquisadores dos diversos campi USP. De acordo com o próprio Zago, essa interação já ocorre há algum tempo e a nova sede, inaugurada em São Carlos, servirá de aparato físico para unir os pesquisadores. "A inauguração desse Polo tem um importante significado, pois ele é um laboratório para pesquisa associada, e faz parte de uma cadeia de conhecimento, que vai desde ciência básica até processos de aplicação. O laboratório está acolhendo uma colaboração que já existe entre os pesquisadores", afirma o pró-reitor.

Polo_TerraEssa é a primeira sede do Polo inaugurada em São Carlos. No campus II, uma área de 2.900 m² foi cedida para construção de um segundo laboratório do Polo TErRA, com um orçamento previsto de R$4,6 milhões. Mas, mesmo sem a sede principal ainda não concluída, a inauguração da sede no campus I assume importância expressiva e, paralelamente, simbólica. "Com essa inauguração, poderemos pensar na presença de pessoas de empresas na área de energia. Esse é o primeiro passo de outro maior, que é a construção do laboratório no campus II, em decorrência de todas essas pesquisas, trazendo a possibilidade de integração com a sociedade, através da transferência da inovação tecnológica que será gerada", explica Hernandes.

Além de pesquisadores da USP, estudiosos da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) também já estão envolvidos nas pesquisas. Mas, a coordenação do Polo TErRA, atualmente, é assumida por dois docentes da USP: Igor Polikarpov, do IFSC/USP, e Paulo Seleghim Jr, da EESC/USP.

Polo_Terra-1Sobre o foco sustentável do Polo, Zago destaca: "O Polo é importante, pois cria tecnologias novas, que permitem à sociedade utilizar melhor seus recursos renováveis. Hoje, fala-se muito em sustentabilidade, mas para isso é necessário desenvolver tecnologias capazes de produzir essa sustentabilidade, e é isso que o Polo irá fazer", finaliza o pró-reitor.

Assessoria de Comunicação

 
mail